O MENINO E O BARQUINHO



Filho único de um casal pobre e rústico, caseiros em uma terra quase sem recursos lá no distante e sofrido interior do agreste, Jacozinho era criado assim, longe de tudo e de todos... Nunca tivera um brinquedo comprado em loja, improvisava sempre, ao seu jeito os seus passatempos que só ele mesmo, em sua própria mente sabia defini-los...


O menino era até, de certa forma, muito inventivo, mas por não conhecer praticamente as novidades do mercado, não tinha muito o que fazer... Todavia, bastou que o pai o levasse pela primeira vez a uma pescaria, para que ele então se apaixonasse por embarcações...


Muito jeitoso, conseguiu fazer uma réplica perfeita do pesqueiro do patrão do pai, só que em miniatura - e todas as tardes, depois da lida, subia até ao alto da nascente de um pequeno córrego, punha lá seu barquinho e descia em disparada para aguardá-lo deslizar até ao seu reduto. Seu barquinho, realmente, era lindo!


Ele amava demais aquela sua obra-prima (tentou fazer outros barquinhos iguais àquele, mas nunca conseguiu a mesma façanha e proeza), e fazer navegar sua embarcação morro abaixo passou a ser sua adorável rotina...


Certo dia, como de costume, depois de correr na frente até ao porto e aguardar o seu barquinho, ele no entanto não veio, esperou... esperou... e nada! Voltou então vistoriando minuciosamente todo o percurso, mas não mais o encontrou... Que lástima! que drama! que dor! e o menino Jacozinho, amargurado, a partir daquele dia, só chorou...


Alguns dias depois, vendo que a tristeza do filho não se ia, seu pai o levou à cidade para tentar espairecer um pouco aquela agonia. Circulavam pela feira-livre, quando de repente, Jacozinho viu seu barquinho exposto para a venda em uma das bancas dali – perguntou então ao feirante o valor do brinquedo e se assustou com o que ouviu, sua pequena obra valia muito, custar-lhe-ia um alto preço...


- Moço, esse barquinho é meu, fui eu que o fiz, me dê ele de volta!


Mas insensível, o homem o olhou com desdém e se virou...


- Por favor, moço, eu vou morrer se não levá-lo comigo!


Então, voltando-se para ele, o homem disse:


- Você só o terá de volta se trabalhar pra mim durante algum tempo.


Jacozinho então implorou ao pai que o deixasse ficar para reconquistar o seu bem, e o convenceu, e durante 3 meses se sacrificou com aqueles serviços pesados dos feirantes...


Por fim, teve a sua recompensa, e Jacozinho pulando de alegria, abraçou o seu barco e falando baixinho pra ele, disse:


- Você é todo meu de novo!



Amado leitor, essa ilustração quer te mostrar que o Senhor agiu dessa mesma forma: Ele te criou, te fez como obra-prima (iguais a ti Ele não fez mais ninguém), tu és único, exclusivo, és Dele o preferido... Mas se caminhares sozinho, se navegares por águas turvas, serás desgovernado por mãos estranhas, sairás da rota e se perderás por completo em seu destino, serás escravo e como mercadoria serás posto à venda.


Mas o seu Senhor, que tanta dor, sacrifício e amargura sofreu por ti (e que ainda sofre), não desistiu de ti ainda... Ele sonha com o seu retorno, e quer revê-lo chegar com êxito ao seu porto seguro...


Sabe amado, mesmo você tendo sido feito pelas Suas próprias mãos, Ele se dispôs a pagar por você um alto preço, e você é tão especial que Ele pagaria, se preciso fosse, tudo de novo e daria por ti novamente até a própria vida.


Assim como menino do barquinho, Jesus também quer expressar eufórico como ele fez, e dizer solene ao seu ouvido:- Você é todo meu mais uma vez!


Autora:Silvana Lacerda


Share this:

JOIN CONVERSATION

4 comentários:

  1. Maravilhoso e abençoado texto!

    Um abraço fraternal e continue na abundante Graça!!!

    ResponderExcluir
  2. A vós, graça e paz da parte de Deus e de nosso Senhor Jesus Cristo!

    Estamos visitando o vosso blog, através da Comunidade Nacional de Blogueiros Cristãos – CNBC...

    Deus lhe abençoe e aos seus ricamente...

    Fraternalmente.
    James, administrador CNBC.
    www.jesusmaioramor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Eu fui lendo o texto e pensei que ele contaria que o barquinho havia se estraçalhado nas pedras da corredeira... e então, o menino ia pegá-lo e consertá-lo, com grande amor e cuidado...

    O final não foi o que eu esperava, mas falou do amor de Deus e do Seu cuidado para com nossas vidas, do mesmo jeito...

    ;)

    Ótima semana pra você, na suprema e necessária Paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns!!sabias palavras ,que vc continue sendo guiado poderosamete por Deus!!
    Seminario Internacional Teologico de São Paulo

    ResponderExcluir

Faça o seu comentário e ajude-me a conhecer sua opinião.

Volte sempre!